sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

辰 | 龍 *

Antes que me esqueça...

a todos os leitores, amigos e visitantes,



      *辰  — lê-se  tatsu  ou shin
龍 — lê-se ryū ou ryō,
ambos  sinogramas para 'Dragão'
sendo, o segundo, hoje de uso mais comum 
no Japão.

** afinidades clubísticas  áparte, 
incluindo côres aqui escolhidas.
(nada de mal-entendidos, please...)  

辰 辰 辰

domingo, 25 de dezembro de 2011

Também temos direito...

Este é caseiro, na verdadeira acepção do termo.
Genuíno home made — receita dos recortes.
Que cá não se vende disto.

E palavra d'honra! ficou melhor que se fosse comprado aí...

...Ainda há Natais felizes...


sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

Onde a realidade excede a ficção

"How could you tell how much of it was lies? It MIGHT be true that the average human being was better off now than he had been before the Revolution. The only evidence to the contrary was the mute protest in your own bones, the instinctive feeling that the conditions you lived in were intolerable and that at some other time they must have been different. It struck him that the truly characteristic thing about modern life was not its cruelty and insecurity, but simply its bareness, its dinginess, its listlessness. Life, if you looked about you, bore no resemblance not only to the lies that streamed out of the telescreens, but even to the ideals that the Party was trying to achieve. Great areas of it, even for a Party member, were neutral and non-political, a matter of slogging through dreary jobs, fighting for a place on the Tube, darning a worn-out sock, cadging a saccharine tablet, saving a cigarette end. The ideal set up by the Party was something huge, terrible, and glittering--a world of steel and concrete, of monstrous machines and terrifying weapons--a nation of warriors and fanatics, marching forward in perfect unity, all thinking the same thoughts and shouting the same slogans, perpetually working, fighting, triumphing, persecuting(...)"*

"After the revolutionary period of the fifties and sixties, society regrouped itself, as always, into High, Middle, and Low. But the new High group, unlike all its forerunners, did not act upon instinct but knew what was needed to safeguard its position. It had long been realized that the only secure basis for oligarchy is collectivism. Wealth and privilege are most easily defended when they are possessed jointly. The so-called 'abolition of private property' which took place in the middle years of the century meant, in effect, the concentration of property in far fewer hands than before: but with this difference, that the new owners were a group instead of a mass of individuals. Individually, no member of the Party owns anything, except petty personal belongings. Collectively, the Party owns everything (...)"

"But it was also clear that an all-round increase in wealth threatened the destruction— indeed, in some sense was the destruction— of a hierarchical society. In a world in which everyone worked short hours, had enough to eat, lived in a house with a bathroom and a refrigerator, and possessed a motor-car or even an aeroplane, the most obvious and perhaps the most important form of inequality would already have disappeared. If it once became general, wealth would confer no distinction. It was possible, no doubt, to imagine a society in which WEALTH, in the sense of personal possessions and luxuries, should be evenly distributed, while POWER remained in the hands of a small privileged caste. But in practice such a society could not long remain stable. For if leisure and security were enjoyed by all alike, the great mass of human beings who are normally stupefied by poverty would become literate and would learn to think for themselves; and when once they had done this, they would sooner or later realize that the privileged minority had no function, and they would sweep it away. In the long run, a hierarchical society was only possible on a basis of poverty and ignorance."*

"But the problems of perpetuating a hierarchical society go deeper than this. There are only four ways in which a ruling group can fall from power. Either it is conquered from without, or it governs so inefficiently that the masses are stirred to revolt, or it allows a strong and discontented Middle group to come into being, or it loses its own self-confidence and willingness to govern. These causes do not operate singly, and as a rule all four of them are present in some degree. A ruling class which could guard against all of them would remain in power permanently. Ultimately the determining factor is the mental attitude of the ruling class itself.

 "(...) The masses never revolt of their own accord, and they never revolt merely because they are oppressed. Indeed, so long as they are not permitted to have standards of comparison, they never even become aware that they are oppressed. (...) From the point of view of our present rulers, therefore, the only genuine dangers are the splitting-off of a new group of able, under-employed, power-hungry people, and the growth of liberalism and scepticism in their own ranks. The problem, that is to say, is educational. It is a problem of continuously moulding the consciousness both of the directing group and of the larger executive group that lies immediately below it. The consciousness of the masses needs only to be influenced in a negative way."*

"(...)'And now let us get back to the question of "how" and "why". You understand well enough HOW the Party maintains itself in power. Now tell me WHY we cling to power? What is our motive? Why should we want power?
'Now I will tell you the answer to my question. It is this. The Party seeks power entirely for its own sake. We are not interested in the good of others; we are interested solely in power. Not wealth or luxury or long life or happiness: only power, pure power. What pure power means you will understand presently. We are different from all the oligarchies of the past, in that we know what we are doing. All the others, even those who resembled ourselves, were cowards and hypocrites. The German Nazis and the Russian Communists came very close to us in their methods, but they never had the courage to recognize their own motives. They pretended, perhaps they even believed, that they had seized power unwillingly and for a limited time, and that just round the corner there lay a paradise where human beings would be free and equal. We are not like that. We know that no one ever seizes power with the intention of relinquishing it. Power is not a means, it is an end. One does not establish a dictatorship in order to safeguard a revolution; one makes the revolution in order to establish the dictatorship. The object of persecution is persecution. The object of torture is torture. The object of power is power. Now do you begin to understand me?'"*

*Todos os excertos, seleccionados de "NINETEEN EIGHTY-FOUR", 
George Orwell (1948)
(destaques e sublinhados do autor deste blogue  )

★ ★ ★

quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

Mais e Melhor

        Um povo nunca deve ser confundido com quem o governa, que em inúmeros casos equivale a dizer, com quem o esmaga, com quem o condena à fome, à degradação e à miséria, com quem diariamente lhe aponta a faca ao pescoço.

        O martirizado Povo da República Democrática Popular da Coreia, jamais deverá ser confundido com os algozes que o mantém teatralmente servil pela força do chicote, da tortura e da fome e pela constante ameaça do tiro na nuca, essa mesma gente que conseguiu a proeza de transformar um país inteiro num gigantesco gólgota. 

     Assim como não nos deixamos impressionar pelo mis-en-scène riefenstahlièsque magistralmente explorado no videoclip hoje aqui proposto, não caímos na tentação fácil de julgar quem está há décadas sujeito à mais ignóbil das opressões e das misérias, ao vê-los verter copiosas lágrimas de 'sentida mágoa' pela perda do seu 'Querido Líder': ainda ontem na NHK, canal de televisão público do Japão, refugiados norte-coreanos em solo nipónico explicavam e demonstravam perante as câmeras como as pessoas na RDPC em geral se treinam — literalmente — e de forma constante para conseguir simular de modo convincente a 'dôr sentida' de uma 'grave perda' como a desta semana, chegando ao ponto de se auto-agredirem para conseguir sentir mal-estar bastante para lacrimejar. Isto é autêntico! E que não restem dúvidas: quem não for capaz de o fazer arrisca-se a ser sumariamente brandido com o ferrete da dissidência — com as previsíveis consequências não apenas para o próprio 'transgressor', mas, e sobretudo, para todos quantos lhe sejam próximos...

          Ao Povo Norte-Coreano só desejamos a libertação, a prosperidade e o futuro digno a que tem direito, como todos os demais povos da Terra, um futuro sem fome, sem miséria, de paz, liberdade, saúde e bem-estar para os seus filhos. 
          Esperamos sinceramente que os eventos desta semana tragam ventos de mudança.
          Quem sofre não deve esperar mais. Quem sofre merece muito melhor.

✪  ✪  ✪

terça-feira, 20 de dezembro de 2011

Faz de conta que é (mesmo) Natal

Hakata Eki [博多駅] — Estação Central de Hakata, Fukuoka,

     Dizem eles, Natal é sempre que os homens querem.
     E será certamente onde os homens quiserem, dizemos nós.

     Mas aqui, francamente... nunca é bem, bem aquilo que... enfim...

     Sempre bonito, em qualquer recurso.

     E assim até parece outro lugar...

     BOAS FESTAS a todos, são os votos do Último Nan Ban Jin
de Kyushu até vós.

(para acabar de vez com a reputação deste blogue)

❄  ❅  ❆

Welcome to the Machine

F-35, 5th gen. stealth fighter

    E pronto.

   Quanto aos orgulhosos Mitsubishi F-15J — foto que se segue —, manter-se-ão ao serviço da JASDF até 2020, assim se prevê, e ao abrigo de um programa de actualização tecnológica previamente divulgado a público pelo Ministério da Defesa Nacional — AQUI e AQUI.

◉ ◉ ◉

segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

E que jamais descanse em paz

          "Não vos regozijeis, ó homens, com a sua queda.
            Pois que ainda que o Mundo se unisse e se erguesse para dar cabo do estafermo,  a verdade é que a cadela que o pariu está outra vez com o cio..."

                                                                                                                               Bertold Brecht  

☯ ☯ ☯

Em frente

勅使河原 宏, Teshigahara Hiroshi「砂の女」"The Woman In The Dunes" ,


"(...) Mas não há que ceder ao medo. Quando um náufrago desfalece pela fome e pela sêde, é pelo efeito do medo da necessidade física que tal acontece, e não por efeito de uma necessidade real, em si, dizem eles. A derrota principia pelo medo de já se ter perdido."

安部公房, Abe Kōbō, 「砂の女」"A Mulher das Dunas ", novela (1962)

Eat Raw Meat = Blood Drool

▥ ▦ ▩

domingo, 18 de dezembro de 2011

Quando a esmola é muita...

Aquilo que deu n'isto.

Como é hábito nestas ocasiões, chego tarde à festa.
É que, honestamente, são assuntos que me aborrecem e eu, confesso, detesto representar papéis de São João de Patmos, para mais quando não vislumbro o mais pequeno ensejo de redenção dos ímpios no horizonte.
Mas esta maçou-me... e maçou-me a sério, é verdade, ou melhor, citando o saudoso Almirante Pinheiro de Azevedo, 'é uma coisa que me chateia, pá'.

Ora então vejamos, ao que me constou, anda para aí um frenesi sobre a quem a EDP — principal fornecedor de energia eléctrica do e ao país que dá pelo nome de Portugal — deverá ou deveria ser vendida num futuro próximo.

Surgem, ao que consta, três Reis Magos neste natalício presépio, um Alemão, um Chinês, e um Brasileiro — este último, ao que parece, desdobrando-se em dois.
Dos três-que-são-afinal-quatro, abstenho-me de me pronunciar acerca dess'último, bicéfalo, que, para mais, parece ser o que menos solicitude colhe.
Detemo-nos pois na adoração dos dois primeiros.

Ora, ainda ao que consta, erguem-se, por aí, as vozes esganiçadas de uns quantos que, de sobrolho franzido — esse vicioso tique tão português, tão característico desse síndrome de Tourette nacional e colectivo, que a cada dia que passa, mais me parece maleita mais congénita que crónica... haja Deus... —, ora dizia eu, que de sobrolho franzido e (parece que os vejo daqui a espumar de germano-merklofobia aos cantos das bocas e ao sorver da bica da manhã p'la fresca...) e agitando, muito irritados, as folhas dos jornais ao balcão, se insurgem contra esses obscuros interesses políticos que favorecem a teutónica investida, quando era o mandarim chinês quem punha na mesa o melhor quinhão...

Parece que os vejo daqui, aos mesmos, ao balcão da pastelaria da Baixa, enfunados como velas em dia de tempestade e a uivar irados "isto é que é, tudo a mesma corja... o que a velha lá em Berlim mand'eles fazerem, lev'ós logo a correr ao beija-mão... isto é alguém de cá a meter ao bolso, 'tá-se mesmo a ver... 'tão todos bons uns p'rós'outros... mafia... tudo feito em família... rica seita esta..."...

E mais um esticado rol de invectivas deste e pior teor, e tudo porque quem paga mais é quem mais zela pelo nosso interesse — assim pensam eles.
Oh gente a saldos! 
Oh povo fácil de comprar.
Oh grei sem outra lei que a impressa em notas de larga cifra.
Oh matilha de perdigueiros que só corre ao faro do vil metal...

Agora, alguém me diga, e de preferência com recurso a um certo senso comum, que diabo vem um Leviatã como a Three Gorges Corp. — é que até o nome mete medo, salvo seja... — que gere o último grito em matéria de megalomania — sim, esse mesmo cujos custos excedem os valores da receita fiscal anual de um pequeno país como o nosso, sim esse mesmo capaz de gerar quase 20 milhões de kilowatts de energia eléctrica para a tal 'Fábrica do Mundo' (como já todos concedemos em chamar-lhe), sim esse mesmo que já engoliu 13 cidades, 140 vilas, 1352 aldeias, 657 fábricas e 100.000 acres de terra de cultivo, sim esse mesmo que já fez dois milhões de desalojados, número que será a dobrar lá para 2020... —, alguém me diga pois, dizia eu, que diabo vem uma criatura destas que mais parece saída da febril imaginação de um H.P. Lovecraft, fazer a um sítio chamado Por-tu-gal, e com que fito avança de garra aguçada sobre uma coisa chamada EDP?...

     Pilhar e demolir, é a palavra de ordem emitida de Pequim. 

     E para esta gente nada se perde, nada se cria: antes sim, tudo se vende, tudo se compra.
     Até as vossas vidas e as dos vossos filhos. Até o futuro de todos nós.

    Vai um cheque em branco?


電⃝   電⃝   電⃝

sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

Viagem ao Centro da Terra

Estação Central de Hefei [合肥], Província de Anhui [安徽省],
República Popular da China,
Fevereiro de 2011, véspera do Ano Novo Lunar chinês.

    O Mundo mudou. 
    E mudou de vez, é certo.
    E se muita coisa era previsível, já a velocidade a que uma profecia se cumpre nunca o é.
    Mormente quando ela afecta sobretudo quem já nada tem a perder.
    E só a ganhar. 

 "In Theoretical China,
There's No Word For Love..."

㊥  ㊥  ㊥

Sim, estamos atentos.

e num jornal deste calibre, então é porque não há que ter medo da verdade.
Já não há nada a esconder?
Parecia que sim.

Agora, e de uma vez por todas, parece mesmo que não.

☢ ☢ ☢

quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

Da Euforia à Hecatombe (II)

Singapura conquistada, Fevereiro de 1942

  • Os Anos da Euforia (II.a)


"Ao optardes pela guerra, primeiro calculai-lhe os custos (...)
O fim último da guerra não é mais que a vitória.
Se est'última se atrasar, as armas perderão aprumo 
e o moral dos homens dissipar-se-á (...)
E ao avançar contra múltiplas cidades, a força dos exércitos dispersar-se-á.
Em guerras que se arrastam, os recursos comuns de um estado não hão de bastar.
Quando as armas perdem aprumo e o ardor dos homens esmorece,
quando as forças e os tesouros se esgotam,
outros estados na vizinhança cuidarão de tomar vantagem 
da vossa dificuldade em prosseguir.
E mesmo que vos precaveis pela prudência de sábios e leais conselheiros,
não haverá plano que heis de conduzir com sucesso 
e pelos tempos que se avizinhem.
E se heis de ver retumbantes vitórias em guerras breves,
 jamais as vereis em guerras que se arrastam.
Pois que nunca houve guerra que se arrastasse,
que estado, fosse ele qual fosse, dela colhesse proveito."

SUN TZU, "A Arte da Guerra" [孫子兵法], 
Capítulo II: "De Como Fazer A Guerra" [作戰]*   

   Antes que possamos prosseguir — e porque as imagens que estimulam o espírito de reflexão, uma vez destituídas da substância dos factos, se arriscam, assim, a promiscuir-se com a pornografia própria da crueza que lhes assiste, e, desse modo, a reduzir-se ao mero e indolente espectáculo da História feita entretenimento —, façamos então uma revisão da matéria dada.

     Para um país parco em recursos naturais necessários a uma industralização galopante, no início do último século, o controle político e militar de extensas áreas onde os mesmos abundassem, surgia como a opção óbvia para um Japão que, em menos de cinquenta anos, se promovera directamente, e num esforço sem paralelo na História, de sociedade feudal e atrasada a estado plenamente industrializado e na linha das grandes potências mundiais do seu tempo. 

   As grandes vitórias militares da Primeira Guerra Sino-Nipónica de 1894-95 e da Guerra Russo-Nipónica de 1904-1905 — guerras breves e categoricamente vencidas mediante três, quatro golpes certeiros e decisivos infligidos ao inimigo — haviam aberto as comportas de uma ambição maior e mais audaz, no sentido de uma indisfarçada expansão territorial no continente asiático e até onde os meios político-diplomáticos, militares e navais ao dispor do Império do Sol Nascente lhe permitissem estender a sua esfera de controle e influência. 

   As sementes da ideia de uma 'Grande Esfera de Co-prosperidade para a Ásia Oriental' (大東亜共栄圏, Dai'Tō-A Kyōeiken) — fórmula via de regra atribuída a Matsuoka Yosuke,  que  daria o leitmotiv para o ímpeto agressivo das décadas de 30 e inícios de 40,  e a seu tempo re-interpretado como pouco mais que um rebuscado eufemismo para um ambicioso império ultramarino a estender-se da Ásia-Pacífico ao Índico e sob as rédeas do Trono do Crisântemo — haviam, pois, sido semeadas em plena viragem do século, graças à espectacular ascensão do Japão de Meiji enquanto potência maior, militar e economicamente falando. 

   Já os avanços do Exército Kwantung (à revelia da vontade expressa de Tóquio em sentido inverso) sobre a Manchúria, a partir de 1928, e em plena guerra aberta (ainda que não declarada) com o regime Nacionalista de Chiang Kai'shek desde o Incidente de Mukden em Setembro de 1931, haviam, desde o seu início, se visto ensombrados pelo alvor de uma nova ordem mundial pós-Grande Guerra de 1914-18, que ao distante e distinto Japão impusera todo um quadro institucional inteiramente novo e agora notoriamente incompatível com as suas reivindicações expansionistas no continente Asiático — processo iniciado com o Acordo Lansing-Ishii de 1917, ainda em plena I Guerra Mundial, e a adesão ao Convénio da Liga das Nações de 1919 (em cujo texto os representantes do Japão, Makino e Chinda, insistiriam na inserção de uma cláusula que expressamente reconhecesse um princípio geral de igualdade racial entre povos, e paralelamente ao princípio/cláusula referente à igualdade religiosa, proposta esta  liminarmente rejeitada por Woodrow Wilson e a delegação Norte-Americana... — e prosseguido com as Conferências e Tratados Navais de Washington (1921-22, Tratado das Cinco Potências em particular) e Londres (1930), de permeio com o Pacto Kellogg-Briand (de 1928, que instituiria a noção jurídica do que viria a designar-se por Crimes contra a Paz), e os Tratados das Quatro e das Nove Potências (neste último, Portugal figurando como signatário e enquanto detentor de interesses específicos na China [Macau]).

      A crescente intransigência por parte das elites militares e políticas nipónicas em permitir que aquilo que agora denunciavam como uma 'intolerável e arrogante ingerência anglo-americana nos assuntos da Ásia', obstasse à legitimidade das suas ambições na Manchúria Interior — território vasto e pródigo em matérias-primas, e desde 1931 seccionada da grande China pelo Exército Kwantung, formalmente re-baptizado Manchukuo e confiado então a um governo fantoche nominalmente tutelado por um monarca na pessoa de Pu'Yi, o último Imperador da Dinastia Qing, a dinastia Manchu, última linhagem imperial a residir na Cidade Proibida, em Pequim, e a reinar sobre o Império do Meio, e até à proclamação da República da China em Janeiro de 1912 — arrastaria o Japão para o acumular das tensões internas e externas que desembocariam no processo conducente à Guerra do Pacífico

    O documentário que se segue, em cinco breves partes, resume, com louvável rigor e sem tomar partido ou aplaudir causas, assim me parece, os factos de maior relevância para uma compreensão sucinta dos termos que estenderam um conflito em particular opondo inicialmente o Japão à China, ao palco maior da II Guerra Mundial. Foi, salvo melhor opinião, a escolha apropriada.

   Da Grande Muralha a Rabaul e Guadalcanal, do Hawaii a Madagáscar — limite máximo do progresso militar Japonês, em 1942 —, os anos da euforia, das vitórias rápidas, porém inconclusivas, que arrastariam o Japão para uma cruel e agonizante guerra suicida contra os E.U.A, o Império Britânico, a França, a Holanda, ainda e sempre a China de Chiang e Mao, e ao cair do pano, last but not least, a U.R.S.S. ...

    À vossa apreciação.

   (... e a continuar)

*Do Mandarim arcaico  para 'Cálculo'
             — embora seja o Capítulo I da obra de referência atribuída a Sun Tzu, a ser via de regra interpretado como se tratando da parte referente ao tema da planificação da guerra (始计), é no Capítulo II que encontramos o segmento supra citado e a generalidade das considerações relativas ao planeamento do que hoje entendemos como a essência de uma economia de guerra.

◐ ◉ ◑