quinta-feira, 29 de setembro de 2011

Adeus aos F-2 — Crónicas da Nova Guerra Fria (III)

Mitsubishi F-2


          Foram 18, ao todo, os que a fúria do Tsunami de 11.03 arrastou da Base Aérea de Matsushima, Prefeitura de Miyagi, Tōhoku, casa da 21ª Esquadra da JASDF, para uma  morte prematura, dos ditos se aproveitando somente seis, com custos de reparações orçados em cerca de 80 biliões de ¥enes, e pouco mais sobrando dos restantes 12 aparelhos relegados para sucata — por puro milagre não sofreram, no mesmo dia, igual destino, os Kawasaki T-4 da Blue Impulse, Esquadrilha Acrobática da JASDF, que na hora da tragédia se encontravam em missão de treino para uma exibição a realizar-se no dia seguinte, Sábado 12.03, precisamente aqui em Hakata, e com o fito de engalanar a cerimónia oficial de inauguração da nova linha de alta-velocidade do Kyūshū-Shinkansen, coisa que jamais esquecerei depois de os ter visto pela manhã cedo desse fatídico dia, da varanda de minha casa...

         O certo é que Governo e Mitsubishi Heavy Industries (MHI) já haviam chegado a acordo quanto ao fim da produção desta conhecida versão 'niponizada' do mais globalizado F-16 Falcon, a serviço em exclusivo na JASDF, e o respectivo anúncio foi feito esta semana com direito a cerimónia com a devida pompa e circunstância.  



Protótipo do futuro Mitsubishi ATD-X, 5th Generation Stealth Fighter, com operacionalidade prevista para 2014-2016.

        Com um novo (des)equilíbrio estratégico a dar mostras de si no horizonte, e não apenas no que ao Extremo-Oriente respeita, o Japão começa a perceber que não pode ficar para trás face à implacável corrida aos armamentos a que vimos assistindo um pouco por toda a parte e contra as mais optimistas arengas dos profetas do Fim da História de há 20 anos atrás. E enquanto os aguardados ATD-X, state-of-the-art da indústria militar nipónica, igualmente a cargo da omnipotente MHI, não chegam — e já se fala em adiamentos para 2016... —, novas opções parecem estar a caminhoEscolhas não faltam.


         Longe vão os tempos em que o Senador Norte-Americano Paul Tsongas proclamava alto e bom som "The Cold War is over: Japan won."
           A Nova Guerra Fria hoje em curso está ainda longe de poder ser ganha pelos bons...


❀ ❀ ❀


      

         


sábado, 24 de setembro de 2011

Amigos em Tokyo

A eles, que são alguns, e guardo no coração, uma especial dedicatória.







"Oh oh oh Life can be cruel...", já cantava o Sylvian há muitos e bons anos, não é assim? — sem sarcasmo. 
そう、ですね。






◉⃝◉⃝◉⃝

sexta-feira, 23 de setembro de 2011

Memória ausente

Soldado do Exército Kwantung — Força Expedicionária Imperial na China— em patrulha na Grande Muralha sob controlo militar Japonês, 1937. 
Com a  Trégua de Tanggu (31.05.1933) e após dois anos de guerra não-declarada, iniciada com o Incidente de Mukden em Setembro de 1931, o Exército Imperial assumia o controle do maior símbolo nacional Chinês.
(Foto da extraordinária colecção Atlantic)
            


         Foi por esta semana que ora finda, que se assinalaram 80 anos sobre o "Incidente de Mukden" (満州事変 — 'Manshu Jihen', em Japonês — 18.09.1931), a insidiosa operação militar com vista à ocupação (libertação, chamar-lhe-ão ainda algumas vozes teimosamente recalcitrantes...) da Manchúria, posteriormente rebaptizada Manchu'kuo

Mukden, 18 - 23.09.1931


         Operação militar meticulosamente planeada e executada por dois oficiais superiores do Exército Kwantung  — a força expedicionária, desde o final da Guerra Russo-Nipónica de 1904-1905, instalada no Norte da China e a pretexto de garantir protecção aos interesses económicos e às comunidades nipónicas locais —, Ishiwara Kanji e Itagaki Seishirō, e levada a cabo, ao que hoje sabemos, à revelia do Governo de Shōwa, não obstante, os seus efeitos seriam, enquanto fait accompli, sancionados pelo Imperador Hirohito e seus ministros, sendo os próprios Ishiwara e Itagaki, inicialmente objecto de uma reprimenda formal por parte de Tóquio, posteriormente louvados como heróis pela imprensa japonesa, forças armadas e governo e rapidamente promovidos na hierarquia e logo indigitados em cargos de superior responsabilidade... na China...

        

Parte 1 de um documentário televisivo sobre a história de Mukden, em Japonês, e para os mais interessados — o remanescente nas partes 2 e 3.
 
       Por cá e por estes dias, desta efeméride, nem uma nota de roda-pé num jornal, nem uma crónica que se lesse num site de referência, nada, zero.
         Normal que não haja  lugar a 'festejos', sobretudo por cá.
     Porém, e não sem nota digna de apreço, Mukden e os eventos desencadeados a 18 de Setembro de 1931, continuam a ser, por muitos, encarados como o primeiro dos preâmbulos do conflito que oito anos mais tarde tomaria a escala mundial, e sendo certo que em Setembro de 1931 ainda estávamos longe da inenarrável orgia de atrocidades que seis anos volvidos e com o estender da guerra à generalidade do território Chinês, o mundo viria a conhecer, horrorizado, certo é que Mukden não deveria ser esquecido, ainda para mais num tempo em que a sociedade japonesa e os media se preparam já para, em Dezembro, assinalar os 70 anos de um outro evento bem mais presente na memória de todos...


Já na China, o 18.09.1931 ninguém esquece. Jamais...




九・一八



terça-feira, 20 de setembro de 2011

Um apelo sentido, uma mensagem a reter



Foi ontem, dia 19 de Setembro, Dia Nacional do Respeito pelos Idosos — 敬老の日, Keirō-No-Hi —, que teve lugar, no Parque Meiji em Tóquio, a maior manifestação anti-nuclear desde os fatídicos eventos de Março passado. A acção de contestação da actual política de contenção da crise nuclear de Fukushima e de protesto contra a inépcia do governo e TEPCO em esclarecer devidamente o público acerca da dura realidade que o Japão hoje enfrenta, contou com o apoio e presença de inúmeras e destacadas figuras da sociedade civil e cultural do Japão entre os quais Ōe Kenzaburo, Prémio Nobel da Literatura em 1994 — 2º a contar da esquerda na foto supra —, que assina um breve e contundente artigo na edição do Mainichi Shinbun [毎日新聞] do mesmo dia, sobre a gravidade da actual situação em Tōhoku, a afectar não apenas o Nordeste e centro do Japão, mas as vidas de todos nós.

        Ainda do mesmo jornal, edição de hoje, 20.9, da autoria de Tamaki Kenji, um outro artigo de opinião sobre a questão do tratamento (censurado e não menos censurável) da informação vertida sobre a crise nuclear actual, que temos a destacar.



☢ ☢ ☢


I nearly married a machine *





Where would I be,
without my R3?


         (Em homenagem aos Heróis esquecidos desta extraordinária história que a História quase esqueceu: Katō Tsutomu (加藤孟) e Osanai Tadashi (長内端) — tributo extensível a um seu especial colaborador, Mieda Fumio (三枝文夫), e a pelo menos um seu rival, Kakehashi Ikutaro (梯 郁太郎) — todos Japoneses, todos indivíduos brilhantes, todos com uma história única por contar.)



O hoje lendário DONCA-MATIC  DA-20 Disk Rotary Electric Auto Rythm Machine
— o primeiro engenho concebido pela parceria Katō/Osanai, estávamos no distante ano de 1963. Este seria o primeiro produto comercializado pela KEIO Gijutsu Kenkyujou (京王技術研究所),  embrião do futuro império KORG.




          
           Segunda-Feira, feriado nacional por cá — Dia do Respeito pelos Idosos (敬老の日  — Keirō no Hi), dia propício a uma crónica mais extensa e elaborada que as demais que os tempos mais recentes me têm permitido escrever e convosco partilhar.

            E porque esta é uma história que, bem além do tema central que lhe dá vida, abrange todo um vasto leque de reflexões sobre matérias, conceitos e questões que me são particularmente caras e que nos últimos tempos muito têm vindo a baila neste e noutros blogoespaços de minha eleição — temas como criatividade, individualidade, uma apetência pelo risco, inovar, criar, ir onde os outros não ousam, cortar amarras, e a busca de uma vida melhor, num lugar melhor, sonhos de juventude, eldorados por conquistar, expectativas goradas, sucessos e fracassos, a música como escape, lugares que esquecemos, de como eram, de como foram outrora, de vidas que esquecemos,  e que quiséssemos ter vivido em lugar da que nos calhou... 

Paul Humphreys & Andrew McCluskey, OMD (Orchestral Manoeuvres In The Dark), Liverpool, circa 1980: "Comprámos o nosso primeiro KORG 500 micro-presset através de um catálogo caseiro. Custou-nos, na altura, 17.6 libras por semana, a trinta e seis prestações, uma pequena fortuna para a época, sobretudo para miúdos como nós, que contavam cada tostão. Foi com ele que fizemos os nossos três primeiros albúns."
        

        Foi pelo fundo da noite de ontem, adentro, que, à falta de melhor entretenimento, dei comigo, subitamente, e sem que desse pelo passar das horas, a visionar, fascinado, mesmerizado, como raros são os programas televisivos com o condão de me prender assim, esse extraordinário documentário que ao fim deste escrito vos deixo, em versão integral de uma hora e meia aproximadamente. 
        Com a criteriosa chancela BBC, a peça audivisual que conclui este escrito, primorosa, simplesmente intitulada "Synth Britannia", mais que um mero documentário 'musical' ou sobre música, transporta-nos para um tempo que parecendo tão recente — uma certa 'década de '80' (que, para o caso concreto,  sofre como que uma espécie de antecipação imprevista, e vai, mais exactamente, de 1973/5 a 1983/5, e ireis, mais adiante, perceber o porquê deste aparente desfasamento cronológico, mas já lá vamos... ) —, nos é hoje tão estranhamente remoto. 
      E a um lugar que nos é tão difícil de conceber, hoje, como seria realmente então: um país deprimido, em profunda crise económica e social e sob os astros de uma urgente carência de mudança; um cenário de subúrbios cinza-betão e céu carregado, cuja mocidade residente, nutrida a sci-fi distópico via J.G. Ballard, Anthony Burgess, Kubrick e Lucas, e embalada a riffs de Glam Rock e Krautrock importado, conspirava um futuro que teimava em tardar. Esta é também uma história de sonhos ingénuos, num tempo de tensões à flôr da pele, e de muita angústia, esperanças falidas, emprego escasso e amanhãs adiados, reconhecimentos por conquistar, escrita entre o consumo de maços de tabaco barato comprados a meias entre amigos e a rodar por todos, televisões lá de casa alugadas (é verdade meus amigos, parece mentira, mas era mesmo assim!), e a incontida ânsia de sair dali, partir, ver e ter na palma da mão esse admirável mundo novo de então que tudo prometia. 

Kraftwerk, 1976



         Não é só, nem é tanto sequer, uma história feita de melodias simples entrelaçadas em silvos eléctricos saídos de pequenas e herméticas máquinas e outras cacofonias ridículas e penteados bizarros, mas sobretudo de descoberta, invenção, ousadia e persistência. E é na improvável aventura das ideias que ninguém ousaria tomar por sérias, que lhe está a graça.

Uma pequena maravilha "Made in Japan", hoje uma peça de museu — KORG 500 micro-preset: lançado no mercado em 1979, por um preço tido por acessível, foi dele que saíram verdadeiros clássicos dos OMD como este, este e ainda este...


         Mas não era esta a história que vos queria contar — essa está aí mais abaixo, em full length, e vale mesmo a pena vê-la, mesmo para aqueles que  não têm o menor interesse pelo género musical em causa ou pelo tema em si: é que é mais que um relato de estilos passageiros, um esmerado retrato de uma época que vivemos à distância e da qual estivemos  e estamos ainda tão perto, e tão digna, em-si,  de recordar. 

DM, Basildon, circa 1980


         É sim ess'outra história que ficou por contar,  a de quem possibilitou, como mais ninguém, que o guião da primeira fosse escrito.  Gente que fez o impossível, criar os meios para que a história que se segue fosse possível. A fôrma e o forno onde o bolo foi cozido.
        E essa história não tem lugar na Inglaterra de 1975 - '83, mas sim no Japão que aqui celebramos e principia perto de uma década antes, numa insuspeita área de Tokyo-to.






      Aos seus principais protagonistas — nota prévia — não deverá ser outorgada a totalidade do mérito pela criação dos meios que possibilitaram a revolução synthpop de finais de '70/primórdios de '80 em Inglaterra. 
      Porém, é inegável, que sem o seu especial contributo, absolutamente fulcral, enquanto impulsionadores de uma indústria de equipamentos até então ora olhados com desconfiança por potenciais investidores, ora acessíveis tão-só a uma mão-cheia de privilegiados, nada do que hoje em matéria de electrónica aplicada à música conhecemos, teria sido possível.    
  
       A verdade é que, até à introdução no mercado, em meados da década de '70, dos pequenos e acessíveis-à-carteira mini/micro-KORG analógicos, entre os quais primavam os hoje raros e muito disputados mini 700s — preferidos, no auge do seu sucesso, por artistas tão distintos com Stevie Wonder, Human League, Vangelis ou The Cure —, a música electrónica era simplesmente um luxo reservado a uma pequena elite de entusiastas e especialistas como Walter (hoje Wendy) Carlos — espécie de 'piloto de ensaios' da então mais sofisticada e promissora MOOG —, 'magos' do Prog Rock como Rick Wakeman e Keith Emmerson, gente de boas referências e já bem posicionada e cortejada pela indústria, como um Richard Wright/Pink Floyd ou um Eno/Roxy Music, ou uns distintos e inacessíveis forasteiros dotados de insondáveis recursos como uns Kraftwerk ou uns Tangerine Dream.

Ralph & Florian, Düsseldorf, circa 1970 — Kraftwerk dando os seus primeiros passos.
Até meados da década de '70, raríssimos eram aqueles que podiam possuir/adquirir um sintetizador — mais raros ainda eram os que ousavam projectar e montar as suas próprias máquinas. Ralph Hutter e Florian Schneider contavam-se entre os poucos e audazes capazes de o fazer, e bem.


       E fora precisamente na Alemanha Ocidental de uns Kraftwerk ou de uns CAN e demais camaradagem de Krautrock, que alguns dos antepassados dos mais modernos sintetizadores haviam logrado marcar pontos — máquinas como o mítico Trautonium de Oskar Sala, proeminente nesse também ele mítico "The Birds" de Alfred Hitchcock, de 1963.

      Ora é precisamente em 1963, que a história da hoje gigante KORG principia, e logo com uma irritação de um dos seus fundadores, Osanai Tadashi (長内端), um então jovem acordeonista que entretinha as noites de um pequeno bar de música ao vivo gerido pelo principal protagonista deste conto, Katō Tsutomu (加藤孟): Osanai fazia-se, então, acompanhar por um rudimentar Wurlitzer Sideman rhythm machine, uma caixa de ritmos muito simples de fabrico americano, engenhoca cujos préstimos muito deixavam a desejar no entender do jovem músico. É então que convence o patrão a financiar-lhe a montagem de um sucedâneo para a modesta Wurlitzer, de acordo com certas especificações por si idealizadas e à medida do que reclamava serem as suas reais necessidades como profissional do palco.

Katō Tsutomu (falecido a 15.03.2011), fundador da KEIO ELECTRONIC,  hoje KORG.


      Surge assim a curiosa e hoje lendária DONCA-MATIC DA-20, a primeira 'drum machine' digna de nome e produto de estreia da então baptizada KEIO Gijutsu Kenkyujou (京王技術研究所). Em 1966, são já várias as DONCAs em circulação e uso e a sua popularidade é crescente entre organistas, músicos de sessão e outros entusiastas. Mas é em 1967, com a aproximação à pequena empresa de Katō e Osanai, de um jovem engenheiro obcecado (coisa tão de cá...) em construir instrumentos electrónicos, Mieda Fumio (三枝文夫) de seu nome, que a KEIO toma um novo impulso rumo a horizontes antes impensados. É, ainda assim, a Katō Tsutomu que muitas das grandes inovações e apostas da KEIO ELECTRONIC, devem ser atribuídas — o próprio teria um lugar determinante na direcção do grupo KORG até à sua morte, vítima de cancro, a 15 de Março deste ano.

          A KORG não seria a única impulsionadora do synthpop britânico de finais da década de 70/princípios de 80,  o tal período que muitos identificam, não sem equívoco, com essa mal-amada 'década de 80' , esses injustamente 'unremembered Eighties', como a eles se referia, em tom de sarcasmo, James Murphy, dos LCD Soundsystem, em "Losing My Edge" — tema, também ele de per si, uma extraordinária e alucinada viagem em menos de cinco minutos, pelos grandes momentos da história da música popular dos últimos quatro ou cinco decénios —, a era dos sintetizadores em que ninguém queria usar guitarras e "tocar música a sério"

The Normal (D. Miller): Warm Leatherette / T.V.O. D.
1.05.1978

     Ao grupo de Katō, Osanai e Mieda — que contava já no seus primórdios com a competição aguerrida de empresas oriundas sobretudo dos E.U.A. entre as quais primava a inventiva MOOG — juntar-se-iam nas décadas seguintes outros grupos empresariais japoneses entre os quais há a destacar os desempenhos de uma ROLAND, de uma YAMAHA, ou  de uma AKAI. Contudo é de notar que a concorrência além-ilhas, e a norte-americana em particular — MOOG, OBERHEIM, ou BUCHLA — nunca logrou produzir instrumentos verdadeiramente acessíveis, em termos de relação preço/qualidade, capazes de fazer a diferença e potenciar uma verdadeira revolução como foi o synthpop de '80. No domínio da criação e comercialização de instrumentos musicais electrónicos de alta qualidade, sintetizadores, drum machines, e outras geringonças capazes de gerar sons nunca antes sonhados, por valores e em circuitos de distribuição acessíveis ao comum dos mortais, ainda hoje o nome KORG é rei.

        Quanto à restante história deste hoje grande grupo empresarial e seus inventos, e porque o tempo já escasseia e este escrito tende a alongar-se mais que o inicialmente previsto, remeto-vos para esta versão compacta, ainda que detalhada, da mesma ou para esta mais esparsa em um, dois, três capítulos — e para aqueles que se interessem mesmo, mesmo muito por estas coisa, como é o meu caso. 

          Tornando à origem: agora recomendo-vos firmemente que deis uma espreitadela a este fabuloso teledocumentário que se segue. Vereis que a história que vos será narrada faz jus a este texto, omitindo contudo alguns dos nomes que aqui destaquei. Mas este relato é sobre a música e sobre quem a fez e porque a fez e não tanto, como é óbvio e natural, sobre as máquinas que o possibilitaram. Hora e meia, o tempo de um desafio de futebol e tem muito mais piada, informação digna de nota e entretenimento de primeira água. 
           Repleto de clássicos que, aposto, tantos de vós já terão arrumado num soturno canto da memória,  conta ainda com um elenco de luxo, assim e aos pares: Kubrick & Carlos, Ralph und Florian, Moroder & Summer, Oakey & Ware, McCluskey & Humphreys, Foxx & Ure, Chris & Cosey, Moyet & Clarke, Tennant & Lowe.... 
          E ainda com os préstimos individuais de um Numan, de um Gore, de um Sumner, de um Ball, de um R.H. Kirk, do maior e mais influente de todos eles, um certo Daniel Miller, e até de um Ballard — cameo e as himself.
             A segunda parte, então, é imperdível...

            Just can't get enough. 












* O título deste escrito obteve a sua  inspiração d'AQUI.





♩ ♪ ♫  ♬


sábado, 17 de setembro de 2011

Trégua




博多 16.09.2011





"Of all the things we´ve made"




◒ ◓ ◒

Der Krieg ist verloren





 
É ao deparar-me aqui e ali com notícias como esta, com cada vez maior regularidade, que me sinto mais e mais, e a cada dia que passa, como o obscuro personagem daquele filme.








中国人民解放军军歌






✭ハ





quinta-feira, 15 de setembro de 2011

Cool




















Haja boas notícias.


E ainda que, por estes dias, tudo ou muito do que traga o nome TEPCO atrelado, seja de desconfiar.


Quero crer no melhor deste grande país.


Quero ter Fé — que é algo muito distinto de um certo, como se diz hoje, wishful thinking









"Believer"




☢ ☢ ☢


quarta-feira, 14 de setembro de 2011

The Scavengers Are Coming





A velha hiena cedo farejou a carne pútrida do cadáver vestido a rigor.

Agora vem roer-vos os ossos.

 Já nem se dá sequer ao trabalho de disfarçar.



"Only Europa Knows"


㊥ ㊥ ㊥






domingo, 11 de setembro de 2011

Seis meses

Imagens do The Telegraph


      Seis meses volvidos sobre o Grande Terramoto de Tōhoku de 11 de Março, como aqui escrevia há dias, há muito — mesmo muito — ainda por fazer
      Porém, é muito — mesmo muito —, também, o que já foi feito até agora: há 3 meses estes eram alguns dos cenários varridos pela devastação de Março.

     Há também novos problemas e novos desafios a enfrentar, em especial a dramática desertificação galopante das áreas sinistradas, e a luta de vários munícipios para travar a dispersão e abandono por parte das populações em fuga das zonas mais afectadas e particularmente ameaçadas pela proximidade dos efeitos nocivos do desastre nuclear de Fukushima
       Registam-se, de igual modo, alguns atrasos graves em matéria de recuperação de certas infra-estruturas essenciais à vida destas comunidades, tais como vias férreas, amplas áreas residenciais, saneamento básico, centros hospitalares, parques industriais que providenciavam trabalho a muitas populações e vitais para a economia local, e a recuperação de muitos pequenos negócios e actividades económicas várias que sempre estiveram no centro da vida das populações de Tōhoku e seriam instrumentais para a revitalização da região, uma vez reestabelecidas e a laborar.

      Mas estes não são motivos para desânimo — recordemos que a área total afectada pelo Grande Terramoto e Tsunami de 11 de Março corresponde, grosso modo, ao todo da costa  de Portugal continental (cerca de 950 ㎞ de extensão), com danos gravíssimos a afectar todo o tipo de estruturas necessárias à vida das populações, a par do que quase parecia antever um gigantesco desastre humanitário —, sendo certo que a recuperação total da região de Tōhoku conta realizar-se num prazo de cerca de 10 anos, com custos orçados em mais de 23 triliões de ¥enes (217 biliões de €uros) e, mais que tudo o mais, Fukushima permanece na ordem do dia.


      Firme se quer esta sagrada Terra.







❃ ❃ ❃



sábado, 3 de setembro de 2011

Xeque-mate em dois lances







(Please, don't try this at home)



❖❖❖


Danos colaterais

博多、09月 02日、夕方



















 
O meu reino por uma tarde de solarenga esplanada! 


   
Veneza ou Trieste de preferência, mas já nem pedia tanto...



 (Não era suposto ele passar aqui a porta.)





Liebestod 
(a Venezia)





⦿ ⦿ ⦿