segunda-feira, 26 de abril de 2010

青銅 [Sei'Dou] — Bronze




Domingo, Higashi Kou'en [東公園 — O Parque Oriental ], ao cair da tarde.













Gosto muito das duas enormes estátuas em Higashi Kou'en, a primeira dedicada ao Monge Nichiren [日蓮大聖人 — Nichi'Ren Dai'Shounino "Mui-Santo-Homem" Nichiren, 1222 - 1282, fundador da Facção Budista que lhe toma o nome], a segunda homenageando o Ten'O Kameyama [亀山天皇], Tsunehito [恒仁], 1249 - 1305, nonagésimo Imperador do Japão e Soberano-Herói na defesa de Yamato contra as invasões Mongóis ao tempo do Kublai' Khan (1274, 1281).


O Céu estava perfeito. Coisa rara por estes dias.

(Hoje, logo p'la manhã, as nuvens tornaram a cobrir as cabeças. As das estátuas e as nossas. E está mais quente, o Tempo, por cá.)


Ontem, com o Sol em despedida, e a Lua a antecipar-se à noite, era assim.



Ontem foi um dia bom para fazer retratos.

Tarde solarenga.

Nichiren,
o Mui-Santo, aguardava as súplicas dos peregrinos da tarde, entre a folhagem das árvores.



























E ao tempo que lá vão os dias das sakura, mas há ainda as que teimam em permanecer ali, a venerar o Santo Homem...



















Nichiren, ali, e sempre, velando por nós.





















































Juzu [数珠], na mão direita (detalhe).































Há dias assim, click, click, click, click,

e os retratos fazem-se a si mesmos.









































































Um porto de abrigo. Um lugar de vigia.










O lugar da vigília.


("Não! Aqui as aves nunca dormem. Nunca dormem!")































(Há um Velho que diz: "Não! Aqui os Corvos nunca dormem!)







































E o Ten'O, também ele colhe o estranho auspício...





















































"Não! Eles nunca dormem!..."









































































"Nunca..."










◐ ◒ ◐




4 comentários:

  1. As fotografias são magníficas e o modo como as usou também. Belíssimo post.
    Ficou uma espiritualidade no ar...
    Cumprimentos ocidentais.
    Ana

    ResponderEliminar
  2. Muito obrigado Ana.
    Estes meus 'postais ilustrados' padecem invariavelmente desta minha tendência para cair num certo gosto minimal-repetitivo, que, às vezes, receio torne este espaço muito enfadonho!
    Fico feliz de saber que gostou.
    Se quiser, imprima um e mande "um postal do Japão" a uma pessoa amiga ou a alguém que lhe seja querido. A falar a sério! Digo-lo sem sarcasmo.
    Faço mesmo questão que as pessoas que gostam das minhas fotos lhes dêem bom uso e partilhem as boas sensações que elas eventualmente inspirem.

    Um Beijinho do Japão. ☺☀
    NBJ

    ResponderEliminar
  3. Nan Ban Jin,
    Muito obrigada por me facultar a possibilidade de enviar aos meus amigos um destes postais. Um dia destes fá-lo-ei, não só pela beleza das fotos mas porque a carta entrou em desuso e eu acho uma manifestação carinhosa e mais surpreendente!
    Um beijinho de Portugal.
    Ana

    ResponderEliminar